New Call-to-action
Carlos Ribeiro
Tempo de leitura: 4 minutos – 17 de Janeiro de 2018

Gestão de danos: o que fazer quando há vazamento de combustível no seu posto

Os tanques de armazenamento são o coração de uma revenda de combustível. Apesar de serem construídos com materiais altamente resistentes, eles tendem a sofrer desgastes com a ação do tempo ou deformações causadas pela movimentação do solo. Quando esses equipamentos começam a apresentar defeitos, você precisa estar preparado para tomar ações imediatas, reduzindo riscos de vazamentos que podem ter consequências incalculáveis ao meio ambiente.

Mas o que fazer no caso de vazamentos?

Quando derivados de petróleo entram em contato com of meio ambiente, os danos podem ser irreparáveis. Se o combustível atingir o lençol freático, por exemplo, até mesmo o abastecimento de água para consumo humano fica prejudicado, colocando populações inteiras em perigo. Por isso, ao menor sinal de vazamento no tanque a primeira iniciativa é interromper a operação.

Vale lembrar que a legislação obriga o proprietário do posto a arcar com todos os gastos provenientes da contaminação por combustíveis. Uma das leis é a resolução 273 do CONAMA, órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente.

O artigo 3º desta resolução define que equipamentos e sistemas destinados ao armazenamento e distribuição de combustíveis automotivos devem estar em conformidade com as normas do Sistema Brasileiro de Certificação. Os equipamentos e sistemas também precisam ser avaliados, pelo menos a cada cinco anos, para prevenção de acidentes com materiais inflamáveis e poluentes.

Além disso, se você tem um empreendimento no Estado de São Paulo, a Lei Estadual 13.577/2009 atribui ao causador da contaminação a responsabilidade por sua detecção e prevenção e as penas podem levar até mesmo ao fechamento do posto. A legislação paulista também determina que o empresário deve comunicar o órgão ambiental da região sobre qualquer ocorrência que possa colocar em risco o meio ambiente e os moradores do entorno. E lembre-se: o vazamento de combustíveis é considerado crime ambiental pela Lei Federal 9.605/98, regulamentada pelo Decreto 3.179/99.

Reparar impactos ambientais é trabalhoso e caro

Dependendo da extensão do vazamento, diversos processos podem ser utilizados para a remoção de hidrocarbonetos de petróleo no solo e na água subterrânea. Os métodos de reparação vão desde a extração de vapores do solo, ao uso de solventes. Em alguns casos, são aplicados procedimentos de incineração, adsorção em carvão ativado e biorremediação.

Situações mais graves podem exigir ainda a implantação de equipamentos mais sofisticados como ventiladores, biorreatores, ou torres de aeração. Qualquer um destes processos demanda longos períodos de tempo e os custos são consideráveis.

Como prevenir vazamento de combustível?

É preciso estar atento a qualquer alteração no volume de combustível nos reservatórios subterrâneos. Além disso, a presença de líquidos no espaço intersticial, que fica entre a parede interna (aço carbono) e a parede externa (termofixa), em um tanque de parede dupla, ou tanque jaquetado, pode significar um vazamento de combustível.

A Gilbarco Veeder Root ajuda você a monitorar o solo próximo aos tanques com o Sensor Intersticial, que detecta a presença de líquidos no espaço intersticial de um tanque de combustíveis de parede dupla. Já o Sensor de Sump detecta a presença de líquidos em bacias de contenção.

Entre em nosso site e saiba mais sobre o Sensor de Sump e o Sensor Intersticial e suas características técnicas. Conheça também nossas soluções para gestão de postos de gasolina, que ampliam a capacidade 1de gestão e apoiam a tomada de decisões.

Nova call-to-action

  • Compartilhe

Resultado da busca

Comentários

Conteúdos exclusivos com a propriedade de quem entende do seu negócio.

Assine a newsletter.

Nova call to action