Gilbarco_Banner-Blog_v2.png

Tecnologia com toque humano

acompanhe nosso blog

Carlos Ribeiro
Nova call-to-action

Como a automatização ajuda na conferência de combustível em seu tanque

21 de Agosto de 2017

Vamos ao cenário: seu posto acaba de receber uma descarga de combustível vinda do caminhão e você, como gestor preocupado que é, resolve conferir se a entrada de combustível no tanque está batendo com volume adquirido junto à distribuidora.

Essa situação é bem comum e faz parte da rotina de quem administra postos. Por mais que haja uma relação contratual e de confiança entre as partes, existem inúmeras variações que infelizmente atormentam a rotina dos profissionais.

Temos conhecimento através de noticiários na imprensa sobre desvios de combustíveis no trajeto entre a distribuidora e os postos. Estas fraudes vão desde a inserção de gaiolas dentro do tanque do caminhão para reduzir a capacidade até aqueles motoristas que se aproveitam da variação causada pela temperatura para realizar pequenos desvios. Esta última situação acontece quando o combustível é entregue em uma temperatura mais elevada, o que faz com que seu volume expanda graças à dilatação do líquido, ultrapassando a seta indicadora e permitindo o desvio quase imperceptível da mercadoria.

Diante de tantas incertezas e possibilidades de ser lesado, os donos de postos sabem que um dos momentos fundamentais de sua rotina é o controle das descargas. Porém, nem a seta indicadora e nem uma régua de medição manual são capazes de entregar um resultado preciso que elimine por completo as chances de fraudes na entrega.

Você verá abaixo como a automatização pode ajudar na conferência entre a entrada de combustível e o volume adquirido junto à distribuidora. Confira!

 

Medição em tempo real

A primeira e principal vantagem de um sistema de medição eletrônica e monitoramento ambiental é a sua capacidade de detectar automaticamente qualquer descarga que é realizada em um tanque.

Não é preciso realizar nenhum comando externo ou programação extra para que essa medição seja feita, isso significa que o recurso reduz qualquer chance de erro humano ou esquecimento. Este tipo de precisão é algo que todos os postos querem alcançar, afinal, quanto maior e mais preciso for o seu controle, melhor serão os resultados financeiros.

De olho na química

Quem já estudou um pouco sobre o comportamento dos combustíveis e suas características químicas sabe que esses hidrocarbonetos são voláteis e sofrem alterações de volume de acordo com a temperatura, pressão e até mesmo a evaporação (apesar de ser uma quantia significativamente baixa).

Com o sistema de medição de tanques eletrônico, é possível verificar a temperatura antes e depois do descarregamento, além de calcular qual o volume descarregado no tanque convertido a uma temperatura de controle (convencionado no Brasil a 20°C). Isto facilita a indicação de  fraudes típicas, onde  se aproveitam da temperatura mais alta para desviar combustível sem que haja qualquer alteração visual na seta do caminhão-tanque.



Até mesmo fraudes de qualidade são possíveis de serem detectadas através da análise da densidade do combustível que foi entregue. A gasolina e o etanol, em seu estado mais “puro”, possuem uma determinada densidade, e qualquer alteração neste índice pode sugerir uma fraude ou um produto de baixa qualidade.

Relatório de descarga ajustada complementa a análise

Até agora, nós falamos sobre a possibilidade de eliminar as fraudes utilizando da medição em tempo real, do relatório automático de descarga e da capacidade do sistema para analisar o combustível e seu comportamento, mas ainda falta algo.

Existe mais um ponto que é importantíssimo para que o posto consiga analisar se a entrada de combustível foi completa: trata-se do relatório de descarga ajustada. Este recurso, presente nos equipamentos que possuem o recurso de reconciliação automática de inventário habilitado, acaba com um dos grandes calcanhares de Aquiles dos sistemas de monitoramento: a incapacidade de detectar o volume vendido enquanto uma descarga está sendo feita.

O procedimento de descarga é demorado, e é quase impossível ficar com o posto inoperante durante todo o tempo utilizado para fazer a reposição do estoque. Isso significa que os postos precisam encontrar uma maneira de saber quanto foi vendido durante o processo de preenchimento dos tanques, o que nem sempre garante precisão.

Esse trabalho representa um desafio e tanto para gestores e funcionários, porém, sistemas de medição eletrônica, como da Gilbarco Veeder Root, emitem relatórios de entrega ajustada, que captam o volume vendido durante uma descarga e apresentam este dado para os gestores do posto, que podem analisar os índices e conferir se estão de acordo com o que foi calculado.


Qual a grande vantagem do sistema de medição eletrônico e monitoramento ambiental?

Podemos sintetizar tudo o que falamos até aqui em uma única palavra: contraprova. Sim, o sistema funciona como uma perfeita contraprova para evitar desvios e fraudes. Os dados emitidos pelo sistema são precisos suficientes para servirem de prova para balizar qualquer prestação de contas entre o posto e sua distribuidora.

Essas informações são importantes para você que é gestor de um posto e procura uma forma ágil e eficaz de conferir o volume das descargas e monitorar os tanques. Não deixe que os antigos métodos manuais de medição façam você perder dinheiro e o controle sobre a situação dos seus tanques.

Quer saber mais sobre esses sistemas eletrônicos de medição? Então não deixe de visitar o nosso site ou conhecer o nosso blog. Lá você encontra conteúdos preparados pela nossa equipe com temas elaborados para tirar todas as suas dúvidas sobre o controle do estoque e a importância do monitoramento dos tanques.

Nova call-to-action

Compartilhe: